Ainda agora começou 2019 e Portugal já contabiliza 12 mortes por violência doméstica

Violência domestica
Violência domestica

O ano de 2019 começou a pouco mais de mês e meio e Portugal já contabiliza 12 vítimas de violência doméstica desde o dia 1 de Janeiro de 2019. Onze mulheres, entre elas uma bebé de 2 anos, e um homem foram assassinados por familiares, companheiros ou ex-companheiros. Os crimes de violência doméstica têm marcado o início de 2019. Doze vítimas mortais em menos de dois meses e vários outros casos que acabaram com feridos graves.

Logo no primeiro mês já se contabilizavam 7 mortes, Fevereiro ainda não acabou e já existem mais 5.

5 de Janeiro – Lagoa, Algarve Ciúmes doentios deram origem ao primeiro crime mortal por violência doméstica em 2019. Os vizinhos viram o sangue escorrer pela porta da habitação do casal. A mulher terá sido atingida no tórax pelo companheiro que depois se suicidou.

7 de Janeiro – Ilha Terceira, Açores Uma guerra por causa de uma casa poderá ter estado numa origem do crime que vitimou mais uma mulher com apenas 46 anos. Foi espancada a soco e a pontapé. Sofreu um traumatismo craniano e uma hemorragia cerebral e, apesar de ter recebido assistência médica, acabou por morrer horas depois.

11 de Janeiro – Almada, Pragal Uma empresária foi morta a soco e pontapé num ataque de raiva. As autoridades acreditam que Vera morreu por motivos de fúria passional. Foi uma vizinha que deu o alerta às autoridades depois de ouvir os gritos de desespero.

11 de Janeiro – Terrena, Alandroal Uma discussão entre um homem, a mulher e a cunhada, por causa da matança do porco acabou com quatro tiros. Matou Maria Eufrázia e a cunhada antes de atirar contra si próprio. Quando os militares chegaram ao local já nada havia a fazer. Os três já tinham sido vítimas de um acidente de viação.

17 de Janeiro – Dafundo, Oeiras Foi encontrada sentada no sofá, sem vida. O marido estava caído no chão perto da arma. O casal foi encontrado pela filha que abandonou a casa aos gritos.

27 de Janeiro – Travessa das Frigideiras, Santarém O corpo de uma mulher de 48 anos foi encontrado num quarto, num cenário de grande violência, pelas autoridades. O alerta foi dado por uma amiga da vítima, que disse ter tentado falar com a mulher durante a tarde, sem sucesso.

31 de Janeiro – Moimenta da Beira, Viseu A oitava vítima mortal de violência doméstica foi Marina Mendes. Uma relação conturbada e os ciúmes doentios do namorado, um bombeiro de 26 anos, acabaram numa discussão com agressões que foram fatais para a jovem.

5 de Fevereiro – Aldeia de Cruz de Pau no Seixal Pedro Henriques degolou a própria sogra sogra, Helena Cabrita, e acabou por fugir com a filha de dois anos, Laura, antes de a deixar morrer por asfixia dentro de um carro num parque de estacionamento. O homem ficou conhecido por o ‘animal do Seixal’acabara por se suicidar na terra em que nasceu.

11 de Fevereiro – Porto O primeiro homem vítima mortal neste ano 2019 de violência doméstica foi Fernando Cruz. O amante gay, Juan Costela, de 20 anos, agrediu Fernando até à morte após uma discussão.  Murros, pontapés e joelhadas. Juan Costela arrancou unhas e dentes da vítima, deixou-o desfigurado.

17 de Fevereiro – Golegã, Santarém O último crime de violência doméstica aconteceu no último domingo. Ana Maria Silva foi baleada pelas costas pelo ex-companheiro que se sentia traído e a apanhou a sair de uma discoteca na Golegã, em Santarém, com um novo parceiro.

Fonte:

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*