Coronavirus: Suíça muda prática de entrada para voos em trânsito

Coronavirus: Suíça muda prática de entrada para voos em trânsito

Berna-Wabern, 28/08/2020 – A partir de 31 de Agosto de 2020, os passageiros em voos de um país em risco não poderão mais entrar na Suíça por um país que não seja considerado de risco. Por outro lado, aqueles que vêm de um país que não é considerado de risco podem entrar na Suíça mesmo que tenham que fazer escala em um aeroporto de um país de risco, desde que não saiam da zona de trânsito a partir deste aeroporto. As restrições de entrada eram frequentemente contornadas pela escolha de transitar por certos aeroportos.

Cidadãos suíços e nacionais de países membros da UE ou EFTA podem entrar na Suíça de qualquer país do mundo, apesar do coronavírus. Dependendo do país em que estiveram, no entanto, ao entrar na Suíça, eles são obrigados a cumprir os requisitos do Escritório Federal de Saúde Pública (BDPA) em termos de quarentena.

Os viajantes dentro do espaço Schengen e aqueles que vêm de países da UE não-Schengen não estão mais sujeitos a restrições de entrada. A Suíça diminuiu gradualmente suas restrições à entrada nesses países desde meados de maio.

Por outro lado, a maioria dos estados que não fazem parte do espaço Schengen continuam na lista de países em risco na Ordem 3 COVID-19. A entrada desses países na Suíça está, em princípio, proibida até novo aviso.

Levar em consideração o aeroporto de partida e não mais o aeroporto de trânsito

Até agora, o aeroporto determinante para os passageiros em voos de um país de risco tem sido aquele de onde parte o voo que os leva diretamente para a Suíça. O embarque anterior não foi levado em consideração. Por exemplo, um nacional de um terceiro estado que embarcou nos Estados Unidos (um país em risco) e fez escala no Canadá a caminho de Zurique poderia entrar na Suíça sob os requisitos de quarentena, porque o Canadá era (e ainda é) um país terceiro considerado não apresentando risco na aceção da Ordem 3 COVID-19. Como os Estados Unidos foram registados como país de risco, os passageiros que chegavam diretamente de Washington ou Chicago não podiam entrar na Suíça.

A partir de agora, será o país de onde partirão os viajantes que desejam entrar na Suíça que será decisivo. Cidadãos de países terceiros que pousarem, por exemplo, em Zurique em um voo dos Estados Unidos que faz escala em Toronto, não poderão mais entrar na Suíça a partir de 31 de Agosto. Esta medida visa evitar que as restrições à entrada sejam contornadas, escolhendo o aeroporto de trânsito com base na lista de países em risco.

O mesmo princípio se aplica na direção oposta: passageiros em voos de um terceiro país que não é considerado em risco (por exemplo, Japão, Austrália ou Nova Zelândia) podem entrar na Suíça mesmo que, por falta de voos diretos, tivessem de fazer escala num aeroporto de um país de risco (por exemplo, Turquia). A entrada na Suíça é então possível, desde que não tenham saído da área de trânsito internacional deste aeroporto e, portanto, não tenham entrado no referido país.

Endereço para envio de perguntas
Secretaria de Estado de Migração, medien@sem.admin.ch
Mais informações: Restrições de entrada no FAQ

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*