Emigrantes qualificados admitem regressar a Portugal

Emigrantes qualificados admitem regressar a Portugal
Emigrantes qualificados admitem regressar a Portugal

Três em cada quatro emigrantes qualificados admitem regressar a Portugal

Para muitos portugueses que se encontram emigrados, os próximos dois anos poderão ser decisivos em respeito a regressar ao país que os viu partir nos últimos anos com a crise.

Em 78% dos emigrantes portugueses qualificados emigrantes admitem regressar a Portugal. Mas dos 75%, uma média de 43% admitem que o podem fazer já nos próximos dois anos. É o que revela o mais recente Guia do Mercado Laboral, realizado por uma consultora na área do emprego e do recrutamento especializado.

São números que podem ser eventualmente tentadores mas o discurso pode ser eleitoral ,já que entramos num ano em que seremos chamados a votar três vezes: nas europeias, nas regionais madeirenses e nas legislativas.

A questão é perceber se este desejo de regressar mostrado por três quartos dos cérebros exportados que abandonaram o país em tempo de crise é resposta aos benefícios fiscais prometidos pelo primeiro-ministro na reentrada política.

Contudo, 87% dos mais de 3.000 emigrantes que contactados e responderam a este inquérito admitem realmente ter uma vontade de regressar a Portugal. Mas a vontade de regressar nada tem a ver com os incentivos oferecidos pelo estado, uma eventual redução do IRS como benefício fiscal terá pouca ou mesmo nenhuma influência na decisão de regressar.

Na verdade, a maioria 84% dos portugueses que saíram do país no tempo da crise não se arrependem de o ter feito. Pelo contrário.

E se o regresso é uma forte possibilidade para estes engenheiros, analistas financeiros, profissionais da área do marketing ou do turismo, deve-se á economia nacional ter estabilizado e esse motivo pede estar a atrair de volta os que saíram e a travar a partida dos mais qualificados que se encontram ainda no país.

Entre o período mais crítico da crise e 2018 a percentagem de trabalhadores dispostos a emigrar caiu de 80% para 37%. As empresas começam a pagar melhor e a promover os melhores, e isso ajuda a guardar os talentos no país.

Dados do Observatório da Emigração revelam que, em 2017, cerca de 90 mil portugueses saíram do país. Em 2016 foram 100 mil.

Daí para trás o número foi descendo sempre ao mesmo ritmo. Cinco mil emigrantes a menos por ano: desde 2016 para 2015, de 2015 para 2014 e de 2014 para 2013, o ano dos 120 mil emigrantes que encheu de lágrimas os aeroportos que os viam partir tão jovens e tão qualificados de um país onde a taxa de desemprego ultrapassou os 16%.

Atualmente, o Reino Unido continua a ser o principal destino dos portugueses que querem trabalhar lá fora. Mas são cada vez mais os que procuram a Espanha. Um em cada cinco portugueses que emigraram entre 2016 e 2017 passaram a conviver com “nuestros hermanos”.

Fonte: https://rr.sapo.pt

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*