Refugiados com ajudas do social com grande aumento.

Refugiados com ajudas do social com grande aumento.
Refugiados com ajudas do social com grande aumento.

Refugiados com ajudas do social com grande aumento.

Crise migratória. Em 2015, 20’130 refugiados obtiveram assistência social, 35% a mais que no ano anterior.

 

Dos números – 35% dos refugiados com necessidade de assistência social entre 2014 e 2015- casos registados que dependem da Confederação, refugiados reconhecidos ou admitidos temporariamente, disse terça-feira o Escritório Federal de Estatística (FSO). Na soma de todos os refugiados, 80,8% recebem assistência social. Desde 2010, o número subiu para mais do dobro.

No número de todos os refugiados, 80% beneficiam de ajuda social. Mesmo com um número tão alto podemos chegar a uma conclusão que os números estão a baixar. Tendo em conta que em 2012  já se encontravam 86% de refugiados a beneficiar de ajudas sociais.

De acordo com dados do SFO, crianças e jovens menores de 17 anos representam um terço das pessoas apoiadas. Em 2015, metade dos beneficiários no campo de refugiados eram menores de 26 anos. A proporção dos homens (56%) é maior que o das mulheres.

Em 2015, mais da metade das pessoas nascidas vêm de Eritreia, Síria 15% e 9% da China. Entre os refugiados da Colômbia e Rússia, 90% recebem assistência social. Mas eles representam apenas 0,3%, respectivamente 0,6% de todos os refugiados.

Entre os 11.700 beneficiários com idade superior a 15 anos, 16% estavam empregados e recebeu assistência social como um complemento. Um terço estava à procura de um emprego ou a participar de um programa ocupado. Mais de metade foram consideradas pessoa inactivas, incluindo donas de casa e formação dos jovens.

Os refugiados com protecção de asilo e refugiados que vivem temporariamente por mais de cinco anos, respectivamente sete anos na Suíça, são armazenados em estatísticas separadas. Os dados sobre os requerentes de asilo também são discutidos separadamente em Easyl. (Sl / nxp)

 

Leia mais de nossos artigos AQUI:

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*