Suíça: Filas de migrantes sem documentos em Genebra agita a Suíça

Suíça: Filas de migrantes sem documentos em Genebra agita a Suíça
Suíça: Filas de migrantes sem documentos em Genebra agita a Suíça

Cidades como Zurique, Berna ou Basileia também distribuem comida para as pessoas que precisam, mas não vemos filas na via pública como em Genebra.

As filas de migrantes sem documentos em Genebra abalaram mais que uma Suíça. Em Zurique, Bea Schwager, que lidera o ponto de contato com essa população, diz estar abalada: “não estamos acostumados a ver estas imagens na Suíça”.

Mas não se surpreende, diz ela nas colunas do “SonntagsBlick”: a vida dos migrantes sem documentos também é difícil depois de dois meses de pandemia na capital económica da Suíça.

Em Genebra, as entregas de alimentos foram distribuídas pela segunda semana consecutiva no sábado, em Vernets, por chamada da Caravana Solidária. Em vista do grande número de visitantes, os 1.683 pacotes não foram suficientes. Uma nova distribuição ocorrerá na próxima semana.

Seis horas de espera

Os parceiros estão preocupados com o aumento semanal, do número de pessoas fragilizadas pela crise ligada ao Covid-19 que esperam horas por esses pacotes, ao mesmo tempo felicita a solidariedade dos doadores, disse no sábado a cidade de Genebra, que coordenou a operação. Algumas pessoas esperaram seis horas.

Cidades como Zurique, Berna ou Basileia também distribuem comida para as pessoas que precisam, mas não vemos filas na via pública como em Genebra. Os migrantes sem documentos são talvez um pouco mais numerosos na Suíça de língua francesa, estima a Zurichoise, enquanto essa população é estimada em 90.000 pessoas em toda a Suíça. “Mas essa não é a razão pela qual não vemos as mesmas cenas em Zurique e em Genebra”, continua ela.

“Na Suíça de língua alemã, os migrantes sem documentos nunca seriam expostos dessa maneira, porque têm medo de serem presos pela polícia e depois expulsos”, explica o especialista. Certamente as mesmas leis sobre o assunto se aplicam em toda a Suíça, mas a avaliação não é a mesma.

“Os migrantes sem documentos passam por menos verificações na Suíça de língua francesa e se atrevem a sair mais”, continua ela. Lembramos também que em 2017-18, Genebra regularizou mais de 2.000 migrantes sem documentos na Operação Papyrus.

Quase 800 doadores

Na sexta-feira, em Genebra, cerca de 800 doadores privados deixaram seus pacotes durante o dia. Por seu lado, o banco de alimentos Partage forneceu cerca de oito toneladas de massa, arroz, óleo, açúcar, conservas e produtos de higiene. Os pacotes foram aprimorados com aveia, cacau e café. Além disso, os produtores locais ofereceram quatro toneladas de produtos frescos, que foram objeto de pacotes separados.

Serviços municipais, hospitais universitários, associações e organizações não-governamentais, além de 80 voluntários, contribuíram para a operação. No sábado, 662 pessoas foram registadas no banco de dados Colis du Coeur, que apoiou 7.700 pessoas esta semana, enviando a elas um vale no valor de 50 a 150 francos, dependendo do tamanho da família.

A maioria dos migrantes sem documentos vem da América Latina, mas também da Ásia e da África, diz Bea Schwager. As mulheres costumam trabalhar como amas ou empregadas domésticas. Também encontramos homens na limpeza, mas também nos obras, nas cozinhas de restaurantes ou como jardineiros.

Fonte: https://www.20min.ch/fr

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*