Unia quer ajuda urgente para trabalhadores temporários

Unia quer ajuda urgente para trabalhadores temporários
Unia quer ajuda urgente para trabalhadores temporários

O sindicato quer que o município de Genebra crie um fundo de apoio para os trabalhadores que geralmente não têm acesso a horário de trabalho reduzido (RHT).

A crise da saúde ligada à pandemia de Covid-19 levou muitos trabalhadores temporários à precariedade. Essas pessoas geralmente não podem beneficiar da redução no horário de trabalho (RHT). Esta quarta-feira, o sindicato da Unia em Genebra pediu que fosse encontrada uma solução cantonal para poder ajudá-los.

Os intermediários são os primeiros a serem despedidos em caso de crise, disse Alessandro Pelizzari, secretário regional da Unia, em entrevista à imprensa. E aqueles que não foram colocados à porta no início da pandemia precisam agora de preencher uma série de condições para poder beneficiar excepcionalmente do regime de RHT.

Como fazer CV bem competitivo
Carta de motivação
Custo de vida na Suiça

Unia também está a pensa na Uber

Os funcionários temporários devem beneficiar de uma renda estável. No entanto, muito poucos estão nessa situação, disse Alessandro Pelizzari. Muitos também trabalham para agências temporárias que não dizem seus nomes. Nesta categoria estão as plataformas desenvolvidas no modelo da Uber, explicou o sindicalista.

Essas plataformas se recusam a assumir sua responsabilidade como empregadores, continuou o secretário regional da Unia. Os trabalhadores temporários que nelas trabalham não podem sequer reivindicar subsídios de RHT. Essas pessoas, que já se encontravam em precariedade em tempos normais, estão actualmente “com sua precariedade reforçada”.

A Unia exige para os trabalhadores temporários a criação de um fundo de apoio cantonal. O Conselho de Estado parece ter escutado a mensagem. As coisas parecem começar a mudar, disse Alessandro Pelizzari. Em Genebra, o número de trabalhadores temporários é estimado em cerca de 15.000. Eles seriam 350.000 na Suíça.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*