Vigilância dos segurados recurso foi rejeitado “Suíça”

Vigilância dos segurados recurso foi rejeitado "Suíça"
Vigilância dos segurados recurso foi rejeitado "Suíça"

O Tribunal Federal considerou admissível a informação divulgada durante a votação de 25 de Novembro de 2018.

O Tribunal Federal rejeitou o recurso ligado a votação de 25 de Novembro de 2018 sobre a vigilância dos segurados. As informações divulgadas pelo Serviço Federal de Seguro Social e pelo Fundo Nacional de Seguro de Acidentes foram consideradas admissíveis.

Espionagem ao segurado

A associação “Referendo contra espiões de seguros” contestou os documentos” Perguntas e respostas: bases legais para a supervisão de segurados da Secretaria Federal de Seguros Sociais (OFAS) e “Esclarecimento dos fatos relativos à base legal de supervisão dos segurados do Fundo Nacional de Seguro de Acidentes da Suíça (Suva). Ambas as publicações foram publicadas on-line pelas duas instituições durante a campanha.

Cancelamento da votação

A associação entrou com dois recursos perante o Tribunal Federal antes da votação e um terceiro depois. Ela pediu o cancelamento da votação. O Supremo Tribunal Federal não entrou em matéria nos dois recursos relativos à mensagem do Conselho Federal: de fato, este texto não pode ser contestado directamente pelo Mon Repos “Tribunal Federal”.

Em seu julgamento publicado quarta-feira, o Tribunal Federal recorda que as autoridades têm o dever de fornecer informações corretas e de mostrar alguma restrição durante uma votação. Tais princípios também se aplicam a empresas como Suva que estão sob a influência directa ou indirecta de uma autoridade.

Para os juízes federais, o OFAS informou os cidadãos com restrição em seu documento online. Este último não constitui uma intervenção inadmissível na campanha do referendo.

Confiança enfraquecida

Quanto a Suva, não era considerada uma empresa particularmente afetada para garantir a neutralidade política. O Tribunal Federal observa que apresentou objetivamente seus interesses no documento, apesar de seu título e forma.

O tribunal acrescentou que, mesmo que a publicação de Suva não tivesse sido objetiva, não teria posto em causa o claro resultado da votação. A alteração da lei na parte geral do direito do seguro social foi aceita por 64,7% dos votos em 25 de novembro de 2018.

Em comunicado divulgado na quarta-feira, Dimitri Rougy, co-diretor da campanha, considera esta decisão “preocupante”. “O Conselho Federal e as autoridades não informaram objectivamente e espalharam inverdades”, escreve ele. Essa decisão enfraquece “a confiança na democracia directa. Os perdedores são os cidadãos “, acrescenta.

Fonte: Jornal 20 minutes

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*